Já ouviram falar em osteopatia?

Já ouviram falar em osteopatia?

Já comentei no outro post que estou com uma leve lesão de menisco. Assim como eu, muitos apaixonados pela corrida sofrem de dores (joelho, quadril, lombar, tornozelo). Em alguns casos pode se tornar uma lesão, em outros é um desconforto, mas que acaba atrapalhando os treinos e pode até nos deixar afastados da pista por um tempo.

Lendo a respeito de lesões na corrida fui surpreendida com a afirmação: “Corredores podem ser divididos em dois grupos: os que já se lesionaram e os que ainda vão se lesionar. ” Assustador, né? Mas é a verdade, as estatísticas comprovam que 92% dos praticantes de corrida de rua sofrem algum tipo de lesão ao longo da carreira.

Minha lesão foi acidental, estava treinando na esteira e ela travou, quase que eu levei um tombo. Graças que eu consegui me equilibrar, mas não passou em branco, fiquei com uma dorzinha no joelho. Passam os dias, e eu continuei treinando no plano, sentia um desconforto mas continuei a rotina. No fim de semana, fui fazer um treino de morro e pronto, na primeira descida o joelhou travou.
Resumindo, bateu o desespero… E agora?

Ficar parada é desesperador. Eu realmente preciso correr, já entrou na rotina, meu corpo se acostumou e se eu fico parada fico muito mal.

Então fui buscar outras opções para tratamento, onde eu pudesse olhar meu corpo como um todo e como unidade de cura. Encontrei a Osteopatia, vou explicar como é…

A Osteopatia enfatiza a sua ação centrada no paciente, ao invés do sistema convencional centrado na doença. A ideia não é só tratar sintomas e sim o todo para evitar problemas. Os tratamentos usam uma abordagem holística da saúde, considerando que a capacidade de recuperação do corpo pode ser aumentada pela estimulação das articulações.

O tratamento consiste em descobrir aquilo que está estruturalmente incorreto e com técnicas, recuperar a função saudável daquele sistema, podendo diminuir dores articulares, problemas de coluna ou as conhecidas tendinites e bursites. Também pode influenciar em sintomas como dores de cabeça, enxaqueca, insônia. Afinal o corpo é único e muitas vezes ele faz compensações.

Neste um mês de tratamento minha dor diminuiu significativamente, sem uso de nenhum medicamento.

Fica a dica pessoal!

Fernanda Lüttke

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *