Meia de Joinville 2018: onde o calor mostra sua força

Meia de Joinville 2018

Eu estava devendo o post sobre a Meia de Joinville 2018. Essa prova que é tão especial pra mim.

Neste ano fiz 10 km, não tive coragem – nem preparo – para enfrentar 21 km. E digo, até para os 10 km na Meia de Joinville é preciso dedicação, coragem. Sim, o percurso é plano. A largada é bem cedo. Mas o calor que Joinville enfrenta no mês de março não é brincadeira.

Já ouvi sobre atletas que não levaram isso em conta e acabaram quebrando no meio da prova. Sim, a Meia de Joinville faz muita gente quebrar. Sair forte é um problema.

Mas enfim, eu estava preparada psicologicamente para enfrentar o calor. Minhas pernas é que não estavam. Já já conto o por quê.

Hora de correr

Depois de encontrar os amigos – em especial a Carol – que eu havia visto pela última vez na Night Run do Costão do Santinho -, cumprimentar todos, fui pra área de largada, no estacionamento do Centreventos. É lindo ver o povo reunido ali.

Meia de Joinville 2018

Ah, antes da minha largada acompanhei a largada da Amanda Donini que estreou nos 21 km. Depois soube que outra amiga, a Derlayne, também havia estreado nos 21 km nessa prova. Guerreiras corajosas, com certeza.

Mas vamos à minha largada. Nunca largo forte, não gosto, tenho medo, sie lá. Só sei que meu lema – devagar e sempre – é levado bem em consideração nas largadas. Sei que 10 km não são 5. E que 10 kms na Meia de Joinville não são 10 km em qualquer outra prova, em qualquer outra data.

E lá fui eu, devagar, no meu ritmo confortável – sim, eu gosto de correr confortavelmente. Julguem-me!

A primeira volta foi relativamente de boa. Na segunda eu comecei a ver os atletas dos 21 que chegaram para a parte final do percurso. Eles haviam largado antes dos atletas de 10, 5 e caminhada.

É incrível o que vemos. Tinham atletas vindo fortes e que chegavam num ponto e começavam a caminhar. Outros vinham mais de leve. Mas todos com aquela expressão de que estavam dando o seu máximo para enfrentar aquele calor.

A água gelada entregue pela organização faz muita diferença. Confesso que não sei como foi para os meio-maratonistas, mas para quem fez 10 havia água gelada a vontade. E foi pra dentro, na cabeça, nossa, oh água bem-vinda!

No fim do percurso ainda tive uma surpresa – no meu iPod começou a tocar a mesma música da Alicia Keys que tocou quando eu estava chegando para a minha estreia nos 21km. E, é claro, cheguei mega emocionada.

E assada. Sim, como falei, minhas pernas sofreram com o calor. Não de ficarem cansadas, mas – pela primeira vez – assaram e muito a parte interna das coxas. Nunca havia passado por isso. Não foi o shorts, nem nada além do calor – isso porque em treinos e provas antes e depois não tive esse problema.

Vou dizer pra vocês, a pior parte é no banho pós corrida. Aff!

Mas taí, mais uma prova linda para guardar na memória e no coração!

Meia de Joinville 2018

Pontos Positivos

Amo a Meia de Joinville – principalmente pelo seu lado desafiador. Muitos atletas de outras cidades acham que estão preparados para nosso calor, mas não. Acreditem quando falo que o calor de Joinville é o maior desafio dessa prova.

A organização e Staff são sempre superatenciosos. Amo!

Ah, frutinhas e água fresca pós prova. Adoro também!

Pontos a melhorar

Os atletas que fazem distâncias menores tem que ter cuidado. Nesse ano o posto de hidratação dos 21 estava aberto ao povo dos 5 e 10km. Não estava a 1 km da largada e vários corredores se abasteceram ali. Povo, temos que ter consideração a quem iria realmente precisar daquela água.

Copos ao chão – nem preciso falar, eu também jogo o copo muitas vezes longe da lixeira, mas com certeza ele não fica no meio da pista onde alguém pode tropeçar e cair nele.

Deixe uma resposta

12 + 19 =